Câncer de intestino: o que é e como saber se tenho?

O câncer de intestino é o terceiro tipo de câncer mais comum no Brasil e que abrange os tumores que se iniciam na parte do intestino grosso chamada cólon e no reto (final do intestino, imediatamente antes do ânus). Também é conhecido como câncer de cólon e reto ou colorretal. Grande parte desses tumores se inicia a partir de pólipos, lesões benignas que podem crescer na parede interna do intestino grosso.

O câncer do cólon, quando diagnosticado no início, tem chances de cura que superam os 95%. A adoção de hábitos como alimentação saudável, rica em fibras, menor ingestão de carnes vermelhas, embutidos e defumados, prática de exercícios e consultas periódicas com seu médico são essenciais para a prevenção do câncer de cólon. O rastreamento, que é a busca do diagnóstico mesmo em pessoas sem sintomas, também está recomendado.

A grande maioria dos cânceres de intestino se origina em lesões benignas, os adenomas, que se apresentam na forma de pólipos. Essas lesões podem evoluir formando os carcinomas (adenocarcinomas). Os adenocarcinomas (fio para boxe) representam a quase totalidade dos cânceres colorretais.

Boxe:

Segundo tipo de câncer mais frequente em mulheres e o terceiro em homens, o adenocarcinoma não costuma causar sintomas na fase inicial, por isso é tão importante a realização do rastreamento para se identificar a doença no início. Nas fases mais avançadas podem surgir sintomas como dor ou desconforto abdominal, alteração do hábito intestinal (sangramento ou alteração no formato das fezes, sensação de evacuação incompleta), dor anal, emagrecimento sem causa (sem dieta ou atividade física), anemia, fraqueza.

Complicações na fase avançada: quadros de obstrução intestinal, sangramento, perfuração ou fístulas (comunicação com outros órgãos), metástases para outros órgãos (focos do tumor longe do órgão que o originou).

Diagnóstico: pode ser feito através do rastreamento que inclui exames como a pesquisa de sangue oculto nas fezes, a colonografia e a colonoscopia. O rastreamento está indicado para toda a população a partir dos 45 anos ou mais precocemente em pessoas com parentes de primeiro grau com história de câncer de intestino.

Na colonoscopia é possível identificar tanto as lesões precursoras (pólipos, muitos deles adenomas) quanto os adenocarcinomas, e retirar pequenos fragmentos (biópsias) para confirmar o diagnóstico, que irá orientar o tratamento nos casos mais avançados, ou já realizar o tratamento removendo essas lesões durante o mesmo procedimento, quando possível.

Tratamento: as lesões iniciais, que acometem superficialmente o intestino, são tratadas com a sua remoção durante a colonoscopia, em procedimentos chamados de polipectomia, mucosectomia ou ressecção submucosa. Lesões mais avançadas podem precisar de cirurgia, quimioterapia e radioterapia para o seu tratamento.

A escolha do tratamento irá depender do estágio da doença e do tipo do tumor. Por isso sempre que tiver sintomas procure um especialista

Embora na maioria dos casos não exista uma causa conhecida, há múltiplos fatores envolvidos no seu aparecimento, entre eles os fatores genéticos (hereditários ou adquiridos) e ambientais.

Fatores de risco

  • Idade superior a 60 anos
  • Parentes de primeiro grau com câncer do intestino
  • Síndromes genéticas
  • Doença inflamatória crônica do intestino (colite ulcerativa ou doença de Crohn)
  • Consumo excessivo de bebidas alcoólicas
  • Consumo de carnes vermelhas em excesso, acima da quantidade recomendada, e carnes processadas, como bacon, presunto, mortadela, salame, peito de peru defumado, salsicha e linguiça
  • Alimentação pobre em fibras
  • Tabagismo
  • Obesidade
  • Sedentarismo

O que é o trato digestório?

O trato digestório começa na boca, compreendendo o esôfago, estômago, intestino delgado, intestino grosso e terminando no ânus.

Enquanto o intestino delgado, responsável pela maior parte da digestão e absorção dos alimentos, é dividido em três segmentos - duodeno, jejuno e íleo, o intestino grosso, cuja função principal é a absorção de água e eletrólitos, é formado pelo cólon, reto e ânus. Os cânceres intestinais raramente acometem o intestino delgado.

Quais os principais sinais de alerta?

  • Sangue nas fezes
  • Mudança do hábito intestinal
  • Dor ou desconforto abdominal
  • Alteração na forma das fezes (fezes no formato de fita, achatadas, muito finas e compridas ou em pequenos pedaços)
  • Fraqueza e anemia
  • Perda de peso sem causa aparente
  • Massa (tumoração) abdominal

Como prevenir?

  • Praticar atividade física
  • Evitar o consumo de carne processada
  • Limitar o consumo de carne vermelha a no máximo 500 gramas de carne cozida por semana
  • Consumir alimentos de origem vegetal, como frutas, verduras, legumes e grãos na dieta
  • Não fumar
  • Evitar consumo de bebidas alcoólicas

Os exames de rastreamento ajudam a prevenir o câncer de intestino?

Sim. O protocolo de rastreamento para o câncer do intestino mais utilizado para população de risco baixo e moderado é a realização anual da pesquisa de sangue oculto nas fezes, seguida pela colonoscopia ou retossigmoidoscopia nos indivíduos com resultado positivo, embora muitos optem por realizar a colonoscopia em primeiro lugar. As evidências científicas até o momento apontam para o início do rastreamento para o câncer do intestino com pesquisa de sangue oculto nas fezes a partir dos 45 anos de idade.

Fontes:

American Cancer Society

INCA – Instituto Nacional de Câncer

SOBED - Sociedade Brasileira de Endoscopia Digestiva


17/01/23

17 de janeiro de 2023

Compartilhar:

Últimas Notícias

    Ver todas as notícias