Para evitar as armadilhas da síndrome do FAN positivo idiopatico
A presença de uma doença autoimune só pode ser cogitada diante de clínica sugestiva.

FAN com padrão pontilhado fino denso


O fator antinúcleo, ou FAN, é o principal exame médico usado na triagem das doenças reumáticas autoimunes. Mas a positividade do teste não determina a presença desse tipo de afecção. Afinal, o FAN costuma ser positivo em 10% a 15% da população normal e sua ocorrência pode aumentar devido ao uso de certos medicamentos, à presença de neoplasias e à vigência de algumas infecções. A valorização desse resultado, portanto, depende da história pessoal e familiar do paciente e, sobretudo, do contexto clínico.

Padrões e títulos
Outro aspecto a considerar é de ordem mais técnica. Alguns padrões geralmente observados no exame não estão associados a doenças autoimunes sistêmicas, especialmente o pontilhado fino simples em títulos baixos (até 1/160) e o pontilhado fino denso (PFD) em qualquer título. Em contrapartida, o encontro de um FAN em título moderado ou alto, com padrão homogêneo, pontilhado grosso, nucleolar ou centromérico, remete a uma maior possibilidade de afecção autoimune manifesta ou incipiente.

Marcadores específicos
Um elemento útil para melhor valorizar a positividade do FAN é o rastreamento de autoanticorpos específicos, fortemente associados a doenças autoimunes (veja páginas centrais).

Pesquisa de anticorpos anti-LEDGF: nova aliada para interpretar um FAN positivo com padrão PF
Num estudo publicado em janeiro na Arthritis & Rheumatism, que comparou o FAN em indivíduos hígidos e em pacientes com doenças reumáticas autoimunes, o PFD ocorreu somente nas pessoas sem processos de autoimunidade. Embora o trabalho tenha demonstrado que esse padrão, mesmo em títulos iguais ou superiores a 1/1.280, possa sugerir a ausência de afecção autoimune, tal resultado, sozinho, não pode ser considerado um parâmetro definitivo, devido ao caráter subjetivo do FAN.

Para fornecer uma resposta mais precisa ao clínico, há um novo exame que pesquisa os autoanticorpos associados ao padrão PFD, os quais reconhecem um fator de crescimento celular derivado do cristalino, cuja sigla é LEDGF, do inglês lens epitheliumderived growth factor.

Os anticorpos anti-LEDGF são encontrados quase exclusivamente em indivíduos hígidos ou com enfermidades não autoimunes, razão pela qual a identificação de sua reatividade em um caso de FAN positivo com PFD torna improvável o diagnóstico de lúpus e de doenças similares.

01 de junho de 2011
Outros destaques dessa edição
Outros destaques dessa edição