Direto da Horta | +SaúdeLazer Ed. 14

Seu cardápio pode ganhar mais vida e seu corpo mais saúde se você plantar seu próprio alimento livre de agrotóxicos. Em poucas semanas, já é possível colher os primeiros frutos!

A cada dia, os produtos orgânicos ganham novos fãs. Muito mais do que moda passageira, a tendência traz à mesa ingredientes que esbanjam saúde e sabor. “Alimentos orgânicos são cultivados em solo sem fertilizantes, livres de agrotóxicos. Isso faz com que a planta não cresça em condições perfeitas e que, na verdade, sofra um estresse causado pelo próprio ambiente. É justamente a defesa a esse ‘estresse’ que faz os vegetais produzirem mais fitoquímicos e é por isso que os orgânicos contêm mais antioxidantes, vitaminas e minerais”, avalia Mariana Anejador Morales, da equipe de Nutricionistas do Grupo Fleury.

foto de uma hortaApostando nessa nova maneira de se alimentar, muitas pessoas estão indo além e passaram a aderir à ideia de cultivar sua horta orgânica em casa. “Mesmo em lugares pequenos dá para plantar vegetais. Eles apenas precisam de exposição ao sol por pelo menos quatro horas por dia e água, que não pode acumular no vaso”, afirma Gabriela Nalon Andreatta, fundadora do projeto Aorta Comunitária, em São Paulo, projeto social de hortas nas calçadas da cidade.

Além disso, não é necessário um investimento grande. “Pode-se usar tambores antigos na calçada ou na área comum do condomínio, e, ainda, latas de leite em pó ou achocolatado para plantar as mudas. Basta ter um furinho no fundo para a água escoar”, explica Gabriela. A varanda, o quintal e até mesmo um pedacinho bem iluminado da cozinha também são bem-vindos.

O primeiro passo para sua experiência ser bem-sucedida é começar o projeto com apenas três ou quatro vasos. “Assim, a pessoa começa a compreender todo o processo e avalia se consegue cuidar de mais espécies”, explica Claudia Visoni, jornalista e especialista em agricultura urbana, de São Paulo.

foto de um regador e uma páPara começar, inicialmente, prepare os vasos. Eles precisam ter um sistema de drenagem feito com uma camada de argila expandida no fundo, que ocupa cerca de 10% do recipiente. Em seguida, coloca-se uma camada de areia suficiente para cobrir a argila. “Outra opção é usar uma manta própria para vasos. Ela não pesa nem ocupa espaço e ainda deixa a água escoar sem levar terra”, indica a arquiteta e sócia-proprietária da empresa Aromática Ervas, Luciana Cury, de São Paulo. Então, é a vez da terra vegetal. Pronto! Pode plantar sua mudinha ali.

Para garantir que suas verduras cresçam bonitas e viçosas, procure comprar mudas em vez de sementes, pois elas não precisam ser replantadas. “No entanto, algumas hortaliças, como a rúcula e o espinafre, podem ser semeadas direto no vaso, dispensando o uso de semeadeiras”, ensina Gabriela. “Nesse caso, faça um buraco raso e coloque de três a quatro sementes e cubra levemente com terra. Borrife água diariamente até aparecer o broto. Depois disso, passe a regá-la normalmente. Em 30 dias, é só colher”, ensina Gabriela, da Aorta Comunitária. Lembre-se, porém, sempre de checar o estado da terra. Se estiver úmida, deixe a tarefa para o dia seguinte. “A água deve ser colocada próximo à raiz, sem exagero, nos horários menos quentes do dia”, arremata.

Horta feliz!

Boas ideias para começar seu canteiro verde.

Ervas e temperos: manjericão, alecrim, salsinha, cebolinha, sálvia, tomilho, espinafre e orégano. “A hortelã e a erva-cidreira exigem um vaso só delas. Suas raízes podem sufocar outras plantas”, explica Gabriela.

Verduras: almeirão, escarola e couve. “Elas suportam mais as mudanças de temperatura e podem ser semeadas direto no vaso”, explica Claudia Visoni. “A rúcula também é fácil de cultivar e sobrevive a duas podas, basta cortá-la a 2 centímetros da terra para brotar novamente”, complementa Gabriela.

Frutas: opte por pés de acerola, goiaba, jabuticaba ou tangerina. “Nesse caso, será preciso um vaso maior para comportar a árvore”, diz Luciana Cury. O mesmo vale para o espaço.

Raízes: Aposte no rabanete. Em um mês, já é possível colhê-lo. Outra opção é a cenoura, mas são necessários 50 centímetros de profundidade para que a raiz cresça.
Tudo se aproveita!

Nem sempre o galhinho torto ou a folha seca precisam ser descartados:

- Folhas amareladas podem servir de adubo para o próprio vaso. Apenas descarte as folhas com algum sinal de parasita. Caso contrário, basta enterrá-la.

- Folhas secas podem ir para a panela! Afinal, boa parte dos temperos que usamos na cozinha já estão desidratados. O mesmo acontece com folhas apenas rasgadas ou com furinhos. É só lavar bem!

- Nada de jogar fora aquele raminho torto ou o galho que quebrou. “Muitos galhinhos brotam ao ficarem em copo com água mineral, desde que seja trocada todos os dias. É o caso do alecrim e do manjericão. Em sete dias a planta desenvolve raiz e poder ser plantada novamente”, ensina Gabriela.
Direto para o prato

Assim que suas plantinhas puderem ser colhidas, use-as em receitas saudáveis. Confira as sugestões da nutricionista Vanderli Marchiori:

Pesto de rúcula

Rendimento: 180 ml
Tempo de preparo: 10 minutos

Ingredientes
80 g de rúcula lavada
7 colheres (sopa) de azeite extravirgem
2 e 1/2 unidades de castanha-do-pará ou castanha de caju
1 dente de alho sem a parte central
1/4 de colher (chá) de sal

Modo de preparo
Coloque a rúcula lavada e o alho no liquidificador e acrescente o azeite aos poucos. Adicione as castanhas e o sal e bata. Certifique-se de que tudo foi bem triturado. Depois, despeje o pesto em uma molheira. Sirva com carnes, massas, peixes, sanduíches e saladas.


Suco de limão com manjericão

Rendimento: 200 ml (1 copo)
Tempo de preparo: 5 minutos

Ingredientes
Suco de 1/2 limão
4 folhas de manjericão
250 ml de água gelada
Adoçante opcional

Modo de preparo
No liquidificador, bata as folhas de manjericão já lavadas com apenas 3 colheres (sopa) de água. Então, acrescente o suco de limão, o restante da água e adoçante. Se quiser, coe e coloque pedras de gelo. Beba em seguida.


Sopa de cebolinha verde

Rendimento: 4 porções
Tempo de preparo: 30 minutos

Ingredientes
2 xícaras (chá) de cebolinha verde cortada finamente
2 colheres (sopa) de manteiga
2 colheres (sopa) de farinha de trigo
2 xícaras (chá) de caldo de galinha
2 colheres (chá) de manjericão fresco picado
Sal e pimenta-do-reino a gosto
1 xícara (chá) de leite

Modo de preparo
Em uma panela, frite a cebolinha verde na manteiga. Em seguida, polvilhe a farinha de trigo e cozinhe por 2 minutos. Adicione o caldo de galinha, o manjericão picado, o sal e a pimenta-do-reino. Cozinhe por cerca de 10 minutos, mexendo até engrossar ligeiramente. Retire do fogo, deixe esfriar um pouco e bata a mistura no liquidificador com o leite. Você pode levar a sopa à geladeira e aguardar até que ela esteja fria ou consumi-la morna mesmo.


01/06/19

01 de junho de 2019

Compartilhar: